LATEX - RUBBER - VINIL

fonte: Masmorra do Fausto, link abaixo para texto original. 

https://igay.ig.com.br/colunas/masmorra-do-fausto/2017-10-13/cultura-rubber-fetiche-latex.html 

url encurtada bilty:

https://bit.ly/2JWAL0i   

Talvez depois do couro, o latex/borracha/vinil seja o material mais desejado no fetiche pela sua beleza, pela sua condiçao de virar uma segunda pele, por poder deixar as pessoas com aspecto de playmobil., ou seja, desumanizado.   Quer vc curta ou não, o efeito visual é incrível. 

A palavra "rubber"  significa, literalmente, borracha. Essa cultura se desenvolveu na Europa e nos EUA nas décadas de 70 e 80 e estava relacionada às pessoas que tinham atração por capas de chuva, calças e acessórios de látex, vinil  e PVC (no caso os dois ultimos exemplos não era borracha, mas materiais semelhantes, um tipo de plástico, podemos dizer).

Geralmente as roupas utilizadas na cultura rubber por "rubberistas/ emborrachados", incluem o “catsuit” (macacão colado ao corpo), luvas e máscaras. A forma como essas vestimentas se configuram, explica por sí só o fetiche dos amantes do estilo.  O “catsuit” (de preferência brilhante com óleo) funciona como uma segunda pele colada ao corpo. Geralmente é preto – mas existem de todos os tipos e cores, inclusive simulando vestes de outras estéticas fetichistas. Seu toque é liso e rígido, como uma pele sobre-humana. A máscara, junto com as luvas, esconde e desumaniza. Despersonaliza.

O corpo inteiro coberto pela nova pele esconde o corpo original, que deve ser descoberto apenas parcialmente durante as relações sexuais. O corpo humano bem delineado que está sob as vestes é o que menos importa para o funcionamento da relação. A libido está direcionada ao estranhamento, ao oculto, ao indivíduo anônimo e à certa dificuldade de movimentação proposta pela roupa. Os corpos se assemelham a autômatos que interagem. Quando se coloca o “equipamento rubber”, assume-se uma nova identidade.  A estética extremamente sensual proposta pelo grupo influencia constantemente o mundo da moda e deixou um legado importante frequentemente visto em desfiles, filmes e seriados.

Quanto as práticas eróticas propostas pelo grupo, elas podem ser de diversos tipos. Imobilização com cordas e algemas é uma delas. Cama de vácuo para imobilização é uma proposta surpreendente da cultura rubber. O indivíduo é colocado em uma cama, com uma manta de látex colocada sobre o seu corpo. O ar existente entre o corpo e a manta é suprimido, logo a manta delineia o corpo do imobilizado colando-o na cama e criando uma forma icônica. Obviamente este tipo de prática deve ser realizada por um especialista, com equipamentos de segurança que garantam a integridade física e de respiração do usuário.

De maneira geral, a estética fetichista rubber é bastante plástica, surreal e escultórica. A aparição de amantes do estilo em espaços e festas fetichistas costuma ser artística, performática por si só e gera bastante impacto e admiração por parte do público que assiste a essa aparição espetacular.

Veja dois subs meus se pegando em latex sob minhas ordens. 

© 2014-2019 by Mestre Guto Lemos - all rights reserved. 

  • qVCTq7QS
  • OpuJfSgo
  • Instagram ícone social
  • Facebook App Icon
  • Twitter Mestre Guto Lemos