CATETERISMO

Os cateteres são tubos flexíveis geralmente usados em tratamentos médicos para se esvaziar a bexiga. Dentro do BDSM, o uso principal dos cateteres é o controle da bexiga. Para isso, um tubo cateter é inserido na uretra até a bexiga com a ponta aberta do cateter sobrando na ponta do pênis.

Um cateter é uma ótima ferramenta para as dinâmicas de troca de forças. O parceiro dominante fica essencialmente no controle, permitindo ou não o fluxo da urina do submisso. A estimulação na uretra parece ativar o gatilho do centro de prazer do cérebro que responde ao ato de urinar e à ejaculação. As praticas com cateteres têm um aspecto dual: a sensação física e o efeito psicológico de se ter um objeto inserido dentro da uretra. Geralmente, os cateteres e o urethral play são usados dentro das práticas de fetiches médicos. O parceiro submisso pode ser amarrado, amordaçado, despido e humilhado, enquanto o parceiro dominante adota o papel de profissional médico, fazendo "exames" e "testes", que podem ser dolorosos ou humilhantes. A perda do controle dessa função primária significa que o sub está a total mercê de seu Dominador, e a vulnerabilidade e confiança envolvidas podem ser bastante excitantes para as partes envolvidas.

Existem vários tipos de cateteres, geralmente feitos de látex e cobertos com Teflon, que os deixam bem lisos ao serem lubrificados. Alguns cateteres são feitos de plástico, que se tornam bastante flexíveis na temperatura do corpo, e consistem geralmente em tubos mais simples com um pequeno funil em uma das pontas. O tipo de cateter mais comumente usado nas práticas sexuais é o cateter Foley. Um cateter Foley pode permanecer inserido por um tempo considerável. Apesar de um cateter poder permanecer inserido por dias dentro de um ambiente hospitalar, é recomendado não deixá-lo inserido por mais de duas horas em uma brincadeira sexual.

Ao se remover a seringa do cateter, seu sub poderá mijar e continuar mijando até esvaziar sua bexiga. Fazê-lo beber alguns copos de água pode ser uma boa ideia antes de começar a sessão. Mesmo quando tiver esvaziado a bexiga, ele terá a sensação de que ainda está mijando. Para os submissos que curtem mijo, você pode incorporar essa prática a um jogo de reciclagem, no qual o mijo do submisso é recolhido em uma bolsa em sua perna, e o conteúdo dessa bolsa é então colocado na boca do submisso para ele beber.

A segurança é importante em todos os tipos de prática BDSM. No urethral play, certifique-se de ter estudado o assunto e praticar com alguém experiente. Infecções bacterianas na uretra ou bexiga são os perigos mais comuns quando se utiliza cateteres. Os sintomas normalmente se desenvolvem dentro de alguns dias após o cateterismo e, se você contrair uma infecção, ela pode ser desagradável, mas geralmente pode ser tratada com antibióticos. Certifique-se de que todo o equipamento usado está esterilizado e que você está completamente recuperado antes de brincar com cateteres novamente!

fonte:  https://www.recon.com/en/News/Article/2671   

 

Catheters are flexible tubes often used in medical treatment to drain the bladder. Within BDSM, the main use for catheters are for bladder control play- this involves inserting a sterile catheter tube into the urethra all the way down to the bladder with the open end of the catheter emerging at the end of the penis. 

A catheter is a great tool in power play dynamics. The dominant partner is essentially in charge of allowing the sub's urine to flow (or not). The stimulation in the urethra seems to trigger the brain's pleasure centre that ordinarily responds to urination or ejaculation. The duel aspect of catheter play is the physical sensation and psychological effect of having an object inserted into the urethra. Often catheters and urethral play is used as part of medical fetish role play. The submissive partner is often restrained and can be gagged, stripped and humiliated while the dominant partner can adopt the role of medical professional and perform 'examinations' and 'tests' which may be painful or humiliating. The loss of this primary function means the sub is at the total mercy of their Dom and the vulnerability/trust can be a massive turn on for both parties involved. 

There are several kinds of catheters, usually made from latex and coated with Teflon which makes them very smooth when lubricated. Some catheters are made of plastic which becomes very flexible at body temperature; these are usually little more than simple tubes with a slight 'funnel' at one end. The most common type of catheter preferred for use in play is the Foley catheter. A Foley catheter may be kept in place for a while. Although catheters are often kept in place for days in a hospital, it's recommend that you do not leave it in place for longer than one to two hours while you play. 

By removing the catheter syringe, your sub will piss and keep pissing until he's empty- drinking a few pints of water would probably be good prep work. Even when the sub is empty, he will still have the sensation that he's pissing. For subs into piss play you can incorporate this into a recycling game in which the piss is collected into a leg bag, the contents then fed through a drinking tube from the bag.

Safety in all types of BDSM play is so important. With urethral play make sure you are doing your research and playing with someone who has experience. Bacterial infection in the urethra or bladder is the most common danger when using catheters. Symptoms normally develop within a couple of days of catheterization and If you do end up getting an infection, it can be unpleasant but can generally be treated with antibiotics. Make sure all equipment you use is sterile and you're fully recovered before indulging in catheter play again! 

source: https://www.recon.com/en/News/Article/2671  
 

© 2014-2019 by Mestre Guto Lemos - all rights reserved. 

  • qVCTq7QS
  • OpuJfSgo
  • Instagram ícone social
  • Facebook App Icon
  • Twitter Mestre Guto Lemos