Debate sobre DSTs no sexo sadomasoquista no Museu da Diversidade no dia mundial do BDSM, 24/7.

July 25, 2017

 

https://paulosampaio.blogosfera.uol.com.br/2017/07/24/governo-patrocina-debate-sobre-doencas-sexualmente-transmissiveis-no-sexo-sadomasoquista/   

 


Governo de SP patrocina debate sobre DSTs no sexo sadomasoquista

 

Paulo Sampaio

24/07/2017 18h46

 

Passava das 18h de sábado quando uma morena esguia, o corpo sinuoso dentro de um vestido preto justo com aberturas nas laterais, usando botas de verniz até os joelhos e jaqueta de couro cravejada de spikes desceu correndo as escadarias da estação República do metrô e entrou no Museu da Diversidade, onde um grupo de praticantes do sexo sadomasoquista a aguardava ansiosamente.  “Desculpe, gente, eu estava atendendo um escravo”, justificou Morgana Marone, 39 anos, a Rainha Morgana, que há 20 trabalha como “dominadora profissional”. Ela foi uma das mediadoras da mesa redonda que o governo de São Paulo patrocinou no último fim de semana para debater sobre “Cuidados com a Saúde na Prática do BDSM (bondage, disciplina, dominação, submissão, sadismo e masoquismo)”.

 

Participaram também a epidemiologista Naila Santos, do Centro de Referência e Treinamento – Doenças Sexualmente Transmissíveis DST/Aids, da Secretaria da Saúde; o médico legista Dom PC, que é dominador; e o Mr. Leather Brasil, campeão de um concurso disputado entre homens que vestem couro na hora do sexo. Trinta e duas pessoas compareceram ao debate, a grande maioria envolvida com a prática sadomasoquista.

 

Rainha Morgana explica que atender um escravo, no caso dela, é cobrar para prestar o serviço de dominá-lo por um período de tempo estabelecido. A expertise dela é humilhar física e emocionalmente o parceiro. Ela amarra, prende com algemas, chicoteia, espanca, pisoteia, dá ordens e castiga caso o serviço esteja malfeito. “Quando me indagam de que prática eu gosto, eu respondo que é melhor me perguntarem qual eu não gosto.” Sim, ela tem seus limites. Avisa aos clientes, por exemplo, que não faz o chamado “banho marrom”,  quando submisso pede que o dominador evacue sobre ele. “Não gosto de scat”, diz ela, usando a forma reduzida da palavra escatologia.

 

Alguém aproveita para perguntar à médica Naila Santos sobre as doenças que o “scat” pode transmitir. Ela diz que existe o risco de contrair a hepatite A, cuja transmissão é oral-fecal. “Na criança, a hepatite A é benigna. No adulto, pode matar”, ela explica.  Em relação à “chuva dourada”, como é chamado no meio BDSM o banho e/ou ingestão de urina, nada ou quase nada pode acontecer. “A urina é um líquido estéril. Não oferece risco nenhum”, diz a médica.

Mr. Leather levanta uma questão: “Eu tenho histórico de cálculo renal, então pode haver sangue na minha urina. Se alguém a ingere, é perigoso?” A médica diz que teria de haver muito sangue para oferecer perigo.

 

Dom PC propõe um upgrade para a manipulação anal. Pequenas lesões provocadas pela penetração de dedos ou objetos (cabo do chicote, bastões, vibradores) podem representar riscos? Sim, diz a médica. O vírus da Hepatite A é resistente, pode permanecer no objeto. O vírus do HIV não sobrevive em contato com o meio ambiente. Não sobrevive ao contato com o ar. Cogita-se a higienização com álcool gel, e então Mr. Leather diz que leu a respeito. “Não é suficiente”. Um dos participantes fala em usar uma solução de água com (em quantidade mínima) água sanitária. Naila ri e diz que a água sanitária definitivamente não é o ideal para se limpar o objeto, muito menos para colocar em contato com a mucosa anal.

 

Ela diz que o perigo maior que ela vê na introdução de objetos no ânus é não conseguir resgatá-los. “Acontece muito de eles entrarem e se perderem, aí fica complicado.”

O estilista e empresário de festas sadomasoquistas Heitor Werneck, que criou a mesa redonda, pergunta sobre suor e lágrima: “Posso lamber alguém suado à vontade? Tô deixando de lamber por medo”. A doutora informa que sim: “É quase impossível se transmitir o vírus da Aids pela saliva ou suor. Não há registros na literatura médica sobre isso.”

 

Segue-se falando de herpes e HPV.  “Usar cueca do outro é perigoso?”, pergunta Werneck. “Gosto também de roçar na bunda do companheiro: tem risco?” Naila diz que tem uma “péssima notícia”. “Herpes e HPV são dois bichinhos chatos. Para pegar, basta o contato de lesão com lesão.”

E amarrações com corda (o famigerado bondage, imobilização do parceiro). “Se a corda roça no ânus, ou na vagina, e causa lesões, há perigo de transmissão de vírus pelo sangue (caso a corda entre em contato com alguma lesão na mucosa do dominador)?”, perguntam.  “Gente, pelo amor de Deus, joga a corda fora”, reage Rainha Morgana. “Corda é tão barato. Na 25 (de março) tem uma loja que vende com um preço ótimo. Compro as minhas lá.” Por via das dúvidas, a doutora informa que, de novo, embora o sangue seja sempre o vilão, é preciso uma quantidade razoável para haver transmissão.

 

A última abordagem diz respeito a uma velha crença do escravo, segundo a qual a responsabilidade de qualquer doença transmitida durante prática BDSM é do dominador. “Muitos raciocinam assim: como o dominador controla a relação, ele deve cuidar para que tudo seja feito dentro da maior segurança. Não é assim. Os dois devem assumir juntos o que possa vir a acontecer”, afirmam os dominadores presentes. Mr Leather diz que, para evitar esse tipo de situação, a primeira prova a que ele submete o escravo é responder a um “formulário” dizendo de que doenças ele é portador. Detalhe importante. O percentual de submissos declarados na sala, com boa vontade, não ultrapassava os 30%.

 

Entre eles, o autônomo Marcelo do Prado, 42, que passa todo o encontro segurando a bolsa de sua dominadora, Francini Zanqui, 38, que tem um programa sobre BDSM em uma rádio de Sorocaba, cidade a 87km de São Paulo. “Ele (Prado) cuida da minha casa, realiza as tarefas domésticas, e depois eu o espanco com um chicote.” Ela conta que o submete à chuva dourada, e ele fica de quatro para fazer a chamada “pet play”, agindo como um cachorrinho.

 

O encontro termina por volta das 20h. No dia seguinte, quando o blog pergunta a Heitor Werneck se pode obter o registro fotográfico do evento, para publicá-lo, ele informa que a fotógrafa e cinegrafista foi assaltada na estação do metrô e que levaram sua câmera. Trata-se de uma prática de violência (não consentida) a que o governo pode prestar tanta atenção quanto a do BDSM.

 

Para ler essa matéria no blog original do autor Paulo Sampaio, basta clicar em cima da foto abaixo. 

 

 

 

 

Please reload

Featured Posts

I'm busy working on my blog posts. Watch this space!

Please reload

Recent Posts
Please reload

Archive